Notícia Notícia!!! Alteração de data da Oficina de Masalas!

ALGUMAS MUDANÇAS SE FAZEM NECESSÁRIAS QUANDO O MOVIMENTO NOS MOSTRA QUE É HORA DE FLEXIBILIZAR! PORTANTO A OFICINA DE MASALAS, SEGUNDA EDIÇÃO, SERÁ REALIZADA NA NOVA DATA, DIA 24 DE JUNHO, POR PEDIDO DA MAIORIA E POR UMA BOA CAUSA – NA ANTIGA DATA (10 DE JUNHO) HAVERÁ UM BAZAR VEGANO ONDE ESTAREI EXPONDO OS PRODUTOS ESPAÇO CARDAMOMO, NOVOS TESTES E RECEITAS 😉

Essas aromáticas iguarias fizeram e fazem ainda parte da nossa história. Uma tarde de outono se torna mais aconchegante e receptiva na companhia da canela e cardamomo, enquanto o inverno pede pitadas audaciosas das pimentas de todas as espécies, e a longa primavera combina com sementes salteadas de mostarda, no verão nada como o coentro fresco e salsinha!

Para a Medicina e Nutrição Ayurveda, as simples especiarias possuem características não somente bioquímicas mas também bioenergética, sendo indicadas ou não para os doshas (biotipos) segundo seus atributos, ganhando função além de seu aroma – elas podem ser carminativas, emenagogas, digestivas, aquecedoras, refrescantes, nutritivas e por ai vai…

Nesse encontro conheceremos algumas das principais especiarias utilizadas na Nutrição Ayurveda e suas propriedades terapêuticas.

Através da dinâmica sensorial dos aromas, cada um escolherá seus temperos pessoais, juntos entenderemos suas funções sutis e então será preparada a masala pessoal de cada participante.

A masala traduz escolhas que fazemos não somente pelo aspecto aromático, mas por uma inteligência de nosso corpo, mente e necessidades sutis do nosso ser.

No final do encontro será servido um caldinho de sabor neutro, a ser temperado com as masalas criadas, assim degustaremos o sabor de cada um ♥

Será na cozinha da mata, no Canto dos Araças, com direito a lareira, chai e muitos aromas!

Investimento:
210,00 (1/2 do valor para garantir a vaga e outra 1/2 no dia da oficina), incluso o material

Página do evento

 

Anúncios

Oficina de Masalas – segunda edição!

Essas aromáticas iguarias fizeram e fazem ainda parte da nossa história. Uma tarde de outono se torna mais aconchegante e receptiva na companhia da canela e cardamomo, enquanto o inverno pede pitadas audaciosas das pimentas de todas as espécies, e a longa primavera combina com sementes salteadas de mostarda, no verão nada como o coentro fresco e salsinha!

Para a Medicina e Nutrição Ayurveda, as simples especiarias possuem características não somente bioquímicas mas também bioenergética, sendo indicadas ou não para os doshas (biotipos) segundo seus atributos, ganhando função além de seu aroma – elas podem ser carminativas, emenagogas, digestivas, aquecedoras, refrescantes, nutritivas e por ai vai…

Nesse encontro conheceremos algumas das principais especiarias utilizadas na Nutrição Ayurveda e suas propriedades terapêuticas.

Através da dinâmica sensorial dos aromas, cada um escolherá seus temperos pessoais, juntos entenderemos suas funções sutis e então será preparada a masala pessoal de cada participante.

A masala traduz escolhas que fazemos não somente pelo aspecto aromático, mas por uma inteligência de nosso corpo, mente e necessidades sutis do nosso ser.

No final do encontro será servido um caldinho de sabor neutro, a ser temperado com as masalas criadas, assim degustaremos o sabor de cada um ♥

Será na cozinha da mata, no Canto dos Araças, com direito a lareira, chai e muitos aromas!

Investimento:
210,00 (1/2 do valor para garantir a vaga e outra 1/2 no dia da oficina), incluso o material

Página do evento:

Bolo de banana da terra e masala de outono

Pensam vocês que masalas são só para pratos salgados? Engano! Como sou naturalmente doceira, adoro temperar bolo, mingau, torta, pudim, enfim, e claro, nem todos os temperos combinam legal com o sabor doce.

Ayurveda explica, cada sabor é composto por diferentes elementos, da uma espiadinha mais sobre esse assunto aqui. Mas resumindo a ópera, o sabor doce contém os elementos terra e água, que são elementos mais densos, ainda mais quando estão juntos! Já viu o aspecto de uma terra molhada? Do barro? É pesado…, entendeu por que nos sentimos pesados após aquela sobremesa do domingão? Em contrapartida, a maioria das especiarias contém os elementos terra e fogo. Aqui a coisa é mais leve e quente, atributos que favorecem a digestão! Tai a explicação bem prática sobre combinar sabores picantes, especiarias com doces, tornam nossas sobremesas mais leves e convidativas!

Vamos nessa então? Segue a receita da semana, delícia de bolo, sem glúten, sem açúcar e vegano, com muuuuuuito tempero hehe

20170507_191622

Hidrate em 5 c de água, 1 c de sopa de farinha de linhaça moída na hora, reserve.

Pré aqueça o forno.

Corte no sentido longitudinal em fatias de 0,5 cm em torno de 3 bananas da terra maduras, respingue gotas de limão nelas e polvilhe canela em pó e açúcar de coco, reserve.

Misture os secos – 1 1/2 x de farinha de trigo sarraceno, 1 x de farinha de amêndoas  (ambos moídos na hora de preferência), 1 x de polvilho doce, 1 x de açúcar de coco, 1 c de chá de sal rosa, 1 c de sopa de canela em pó, 1 c de sopa de raspas da casca da laranja (orgânica), 1 c de chá de noz moscada, 2 sementes de amburana raladas, 1 c de sopa de gengibre em pó, 1 c de café de pimenta do reino em pó, 1 c de café de pimenta rosa tostada e moída, 1/2 c de café de cravo em pó, 2 c de sopa de nibs de cacau, 1 c de chá de bicarbonato e 1/2 c de chá de tremor de tártaro (sem problemas se não tiver).

Aos poucos acrescente o líquido aos secos, misturando para incorporar bem – 1 x de suco de laranja, 1/2 x de óleo de coco derretido, 1 c de sopa de vinagre de maçã, a linhaça hidratada e água se necessário para a massa ficar um pouco mais líquida (mas não muito! esse bolo é mais firminho mesmo!)

Unte uma forma redonda de fundo removível com farinha de arroz e açúcar de coco, então ajeite parte das fatias das bananas formando um desenho igual da foto, e derrame metade da massa, novamente por cima da massa faça o mesmo desenho com mais fatias de bananas, e derrame a outra metade da massa e por cima novamente mais fatias de bananas, polvilhe canela em pó e açúcar de coco, leve para assar em forno 200 graus por 40′.

Espete a massa e não deixe ela ficar muito seca! Desligue o forno e deixe a porta entreaberta para esfriar aos poucos… Desenforme o bolo e se desejar mais docinho segue uma calcinha especial:

Derreta 1/2 x de açúcar de coco em 1 c de sopa de óleo de coco, 1/4 x de água e se tiver 2 c de sopa de água de flor de laranjeira, leve ao fogo por alguns minutinhos, desligue e despeje sobre o bolo.

A cada mordida um sabor diferente, aproveite e boa viagem!!!

Granolas à moda das Masalas Espaço Cardamomo

Dia de produção de masalas e granolas temperadas é assim, perfume por toda a cozinha, sobe as escadas da casa, impregna no piso de madeira do chão do meu quarto, que se mistura ao incenso de sândalo e ao aroma do pé de jasmim na janela do quarto ao lado.

No meio da tarde, passo um cafezinho, de costume algumas pitadas de cardamomo dariam seu sabor e graça a bebida brasileira tão amada, mas são tantos aromas que nesse momento prefiro o amargo, negro e simples café!

No fim do dia, já provei as inúmeras experiências que vão surgindo dessa tarde alquimica, que só consigo me manter agradecida por um dia leve e criativo, pela intimidade que as próprias especiarias me ensinaram a ter com elas e pela noite que chega celebrando a lua cheia de Buda.

Dizem que essa lua é inspiradora para transmutar padrões e até elevar aos que buscam a iluminação! Se houvesse alguém ouvindo meus pedidos de lua cheia…, vou até a varanda para olhá-la novamente e perceber qual o primeiro pensamento que me vem, eis ele: que eu, assim como todos os seres que assim o desejarem, possamos nos liberar de todas as ilusões que nos amarram ao sofrimento. Nem mais nem menos, é isso ai.

Para temperar e fortalecer a prática de meditação, eis uma receitinha criativa de Granola a moda Espaço Cardamomo:

Aqueça uma frigideira e toste em fogo baixo, mexendo os ingredientes juntos – 100gr flocos de quinoa, 50gr semente de girassol, 30gr castanha de cajú, 20gr nibs de cacau, 15gr gojiberry e então reserve.

Novamente aqueça a frigideira, agora para tostar as seguintes especiarias, uma de cada vez – 5gr de canela em pó, 8gr de cúrcuma em pó, 4gr de gengibre em pó, 3gr de semente de pimenta rosa, 3gr de pimenta do reino em pó, 3gr de semente de pimenta branca, 1gr de semente de umburana ralada. As especiarias que forem em sementes devem então serem maceradas, e depois pode-se misturar todas elas, e acrescentar 7gr de sal do Himalaya, reserve,

Novamente com a frigideira quente derrame 50gr de melado, 30gr de óleo de coco e as especiarias, e aos poucos va acrescentando os ingredientes secos que foram os primeiros tostados, até se lambuzarem bem com o óleo e melado. Mexa até sentir que a mistura está mais seca e bem grudenta, desligue. Eu gosto ainda de espalhar a granola numa forma levar ao forno baixo por 10′, assim ela fica bem sequinha e crocante! Deixe esfriar e guarde em vidro bem fechado.

Polvilhe na salada, arroz, iogurte, pizza, na vida, no tempo, no trabalho, na praia, juro, sem exagero, ela fica incrível com tantas especiarias :))))

Os aromas da última Oficina de Masalas – 25/03/2017

A parte mais bonita de qualquer oficina que tenha como base o incentivo do ganho de consciência, de forma integral ou mesmo alimentar, é permitir a liberdade, o movimento orgânico que se forma a partir da união e interação do grupo.

Portanto regras, só se forem aquelas que dizem que você deve se permitir estar ciente de suas percepções, sensações, emoções, pensamentos, e então perceber sua própria presença e como esse ser íntegro atua nas diferentes situações. Observe-se, você só tem a aprender consigo mesmo!

IMG_1601-2

Os aromas, sabores, e as inúmeras especiarias assim ensinam – se não estiver presente, não saberás distinguir que perfume é esse que inebria sua mente. Se se distrair, colocará uma pitada a mais e então sua masala não será mais uma masala, pois terá um sabor muito predominante!

IMG_1594

Alguns temperinhos são naturalmente espaçosos, portanto não permita tanto! Outros mais tímidos, precisam de espaço, tempo para serem percebidos… Tem ainda aqueles marcantes, que qualquer ser consegue reconhecer, como uma língua universal, tipo o cheirinho da canela!

IMG_1592-2

Ahhh se pudessemos nos libertar um pouco dos sentidos que estão tão cansados de serem usados… Feche os olhos e deixe seu nariz trabalhar, suas mãos, língua. Os olhos precisam de descanso, afinal temos percebido o mundo muito através dessa percepção sensorial.

IMG_1593

Mas o que eu desejo mesmo, é que você possa acessar na sua mente memórias antigas, lembranças infinitas, infância com cheiro de que?!

_/\_

Páscoa 2017 – “Ayurviva” esse momento conosco!

Norteados pela união entre as práticas alimentares ayurvédica e crua, criamos esse evento em meio à natureza, onde durante 3 dias, oferecemos momentos especiais, de atividades e relaxamentos à refeições orgânicas cheias de vitalidade em ressonância com a estação de outono. Oficinas, bate-papos, curiosidades e conceitos básicos sobre Alimentação Viva e Ayurveda, o uso terapêutico das Especiarias, os Cinco Elementos e outros temas interessantes serão abordados para enriquecer seu repertório rumo a saúde e qualidade de vida.

O feriado da Páscoa nunca esteve tão saboroso e cheio de surpresas… entre um jantar afrodisíaco, um fino chocolate elaborado com amêndoas de cacau cru, as águas que descem a montanha, as caminhadas leves pelas trilhas, à contemplação e o silêncio, boas risadas e brincadeiras nos esperam!

FlyerFB

LOCAL Reserva Passarim – Paulo Lopes SC
(Haverá oferta de transfer se houver grupo de participantes interessados)

VALOR 3×350,00 ou 1×950,00
(inclui hospedagem, alimentação, oficinas e atividades)

Bolo de pera e especiarias

Depois dessa bagunça de carnaval, só um bolinho delicioso para acalmar tanta agitação!!! E na época onde colhemos peras orgânicas e temos à disposição sabores como a fava tonka, baunilha brasileira, não tem por que não explorar essas delícias :0

Tem quem goste de dar aqueles pulinhos e sair no bloco de carnaval do bairro, e ainda os mais ousados que vão desfilar mesmo na passarela, ou ainda os que pegam mesmo um voo até o Rio ou Bahia e vão chacoalhar o corpo até entrarem numa catarse sem explicação!

Tem ainda aqueles como eu que realmente abstraem. Adoro samba, tamborim, cores, festa, batucada, mas não tenho estômago para as confusões que se criam devido a falta de clareza do que realmente pode significar essa festividade.

Então fico quietinha, tomo banho de cachoeira, garanto meu acarajé vegano na pracinha da Lagoa no horário em que a festa ainda não começou, saio de fininho, à francesa e volto rapidinho pra casa na mata, pra sentar no deck, olhar as estrelas, brincar com os cachorros e garantir que no dia seguinte eu acorde com um bolinho desses na mesa do café da manhã, e por que não?

Anota pois esse é daqueles que acalma os nervos de tão gostoso e macio 🙂

Bolo de pera e especiarias (sem glúten ou laticínio)

Descascar 2 peras grandes e picar bem miudinhas, banhar em 1/4 xícara de água de flor de laranjeira, 1 c de sopa de raspas de casca de laranja orgânica, 1 semente de fava tonka raladinha, 1 c de chá de cardamomo em pó, a mesma medida de canela em pó e um pouco menos de noz moscada em pó, algumas gotas de baunilha, mexe e deixa a fruta absorver um pouco todo esse sabor!

Então, acrescente 3/4 x de melado de cana e em seguida acrescente 3 gemas de ovos orgânicos, mexe bem e depois 1 x de suco de laranja, 1/2 x de óleo de coco, pitada de sal do Himalaya, mexe até encorporar bem os ingredientes, então vamos aos secos, 1 1/2 x de farinha de trigo sarraceno e a mesma medida de farinha de arroz integral, 1 c de sopa de psyllium, 1/2 x de lascas de amêndoas, mexe e observe se a massa não está nem líquida nem grossa demais. Bate as 3 claras e incorpore aos poucos para não desmanchar, e somente no final, quando o forno já estiver aquecido, a forma redonda de furo no meio untada com óleo de coco e açúcar demerara, acrescente 1 c de chá cheia de bicarbonato e 2 c de sopa de vinagre de maçã orgânico, isso produzirá a fermentação inicial do bolo, mexe com delicadeza e leva para assar por 35′.

Sem palavras pra dizer o quão maravilhoso, fofinho e aromático ficou!

 

Bolo de cacau e limão siciliano com farinha sarraceno, só provando para conhecer sabor e aroma inigualáveis…

Imagine acordar numa manhã de segunda feira chuvosa, descer as escadas rumo à cozinha e encontrar um bolo fresquinho, gostoso e nutritivo, combinando perfeitamente com seu café com leite de arroz? Então, se assim o desejar, realize, é fácil e saudável 😉

20161002_195138

Utilizar a farinha de sarraceno é sempre uma ótima opção para quem cansou do glúten (e do papo do glúten…), e deseja um bolo fofinho sem utilizar componentes de origem animal. Em termos ayurvédicos, essa é uma farinha um pouco mais pesada, portanto o uso de especiarias é essencial para ativar o fogo digestivo, mas o fato dessa receita não levar ovos, nem leite, manteiga, fermento químico trans, o transforma numa receita facílima de digerir, compatível com qualquer biotipo e ser que possui um paladar autêntico!

Sem mais delongas, segue a receitinha aprovada:

  • 2 x de farinha sarraceno (bater os grãos no liquidificador para fazer a farinha)
  • 3/4 x de açúcar demerara (pode substituir por pasta de tâmaras)
  • 3/4 x de cacau em pó (orgânico se possível)
  • 1 c de chá de cremor tártaro + 1/2 c de chá de bicarbonato de sódio + 1 c de sopa de vinagre de maçã (esse é o nosso fermento)
  • 2 x de leite vegetal de castanha do Pará
  • 1/2 x de óleo de coco (derretido em banho maria)
  • 1 c de sopa de chia e 1 c de sopa de linhaça
  • 1 c de sopa de canela em pó
  • 1 c de chá de noz moscada ralada
  • 1 semente de fava tonka ralada
  • 1 c de chá das sementes de cardamomo (se preferir toste e pile para liberar mais sabor)
  • 1 /2 c de café de fava de baunilha triturada
  • 1 c de sobremesa de sementes de papoula
  • 1 c de sobremesa de sementes de gergelim
  • 1 c de sopa de raspas da casca do limão siciliano (orgânico)
  • Para a calda – sumo de 1 limão siciliano, 1/2 x de água, 1 c de sopa de óleo de coco, 4 c de sopa de açúcar demerara e 1 c de sopa de água de flor de laranjeira

Preparando a massa: deixar a chia e linhaça de molho no leite vegetal por 15′, reserve. Juntar os ingredientes secos numa bacia, inclusive todas as especiarias, misturar bem, então acrescentar o leite vegetal e o óleo derretido, mexer para misturar bem os ingredientes, e somente por último acrescente o vinagre de maçã, levando então a massa imediatamente para o forno pré aquecido, numa forma untada com óleo de coco e farinha de arroz (usei forma de pão, deu certinho a qtde). Assar em forno médio por aproximadamente 35 a 40′, espetar o palito para sentir massa, desligar o forno e deixar o bolo esfriar ali dentro com a porta semi aberta. A massa é molhadinha, cuidar para não deixar secar demais!

Preparando a calda: numa panela juntar a água, sumo do limão, óleo de coco e açúcar e levar ao fogo por alguns minutos até formar uma caldinha mais espessa, desligar e acrescentar a água de flor de laranjeira. Desenformar o bolo, fazer furinhos com cuidado e derramar a calda por cima.

Combina também servir no café da tarde acompanhado de um suco de laranja no calorzinho ou chazinho de hortelã se o dia estiver mais frio 😉

 

Sábado de Masala Dosa

“Sábado me chega como um lampejo inesperado de arco-íris sob a asa negra de um pássaro, como a roda da saia de uma dançarina de kathak, girando mais e mais rápido. Sábado é a percussão explodindo dos estéreos dos rapazes que passam de carro em marcha perigosamente lenta, e estão procurando o que. Sábado me tira o fôlego…” (A Senhora das Especiarias).

Cada especiaria para um dia da semana, sábado é dia de assa fétida. Resina amarelada, escurece e amarga se tostada demasiadamente, rouba todo e qualquer aroma das demais especiarias se não manuseada corretamente. Ela esquenta, é pungente, marcante como alguns sábados de nossas vidas…Totalmente indispensável para o cozimento das lentilhas e feijões. Pois apesar de seu nome “fétido”, é ela quem nos auxilia a não fermentar internamente devido aos gases tóxicos das leguminosas.

“Daksha, isso aqui é grão de pimenta preta para ferver inteiro e beber, para afrouxar sua garganta e você poder aprender a dizer Não.” Como disse, cada tempero tem seu momento!

Assa fétida ou pimenta preta, ambas fortes e marcantes mas se combinadas em devida proporção, produzem um sabor inigualável. Parafraseando Paracelso “A diferença entre o veneno e o remédio é a dose”, assim é também com os sabores da cozinha: Salgou demais? Apimentou demais? Está ácido demais? Adoçou a ponto de doer a mandíbula? Os excessos podem botar tudo a perder…

A medida não é exata, as doses são relativas, cada um tem sua sensibilidade e deve desenvolver a percepção de seus próprios limites. Por isso não uso receita. Olho, experimento, testo, aprovo, mudo, assim é a cozinha alquímica, uma constante mutação.

Mas relembrando momentos de imenso prazer gustativo enquanto estive na Índia, finalmente recebi de um amigo recém chegado daquela aromática terra, os grãos de Urad, um tipo de feijão bem pequenininho e fácil de digerir, utilizado para fazer a tradicional receita de Masala Dosa.

20160915_215956

A massa fica maravilhosamente crocante, e como agora está na moda (rs), não contém glúten nem lactose 😉

Acontece assim, da noite pro dia, deixa-se de molho 2 xícaras de arroz branco orgânico numa bacia com o triplo de água, e numa segunda bacia deixa-se metade dessa medida de grãos Urad também com água. No dia seguinte, dispensa essa água, bate os grãos separadamente, acrescentando um pouquinho de água para facilitar formar o creme, ainda espesso, mas líquido. Quando os cremes estiverem igualmente homogêneos, mistura-os no liquidificador e bata novamente, agora acrescentando 2 c de sopa de açúcar mascavo, 1 c de chá de sal marinho, 1 c de chá de bicarbonato de sódio, 2 c de sopa de óleo de coco derretido ou outro óelo de sua preferência, e se preferir aromatize com as sementes moídas de pimenta preta, cobre com um pano e deixa a massa descansar por 8 a 12 horas em um local quentinho, para finalizar o processo de fermentação.

20160915_122846Depois aqueça uma frigideira de fundo grosso, oleia com um pouco de óleo de coco e derrame a massa, com a ajuda de uma concha ou as costas de uma colher grande, espalhe bem a massa, deixando a mais fina possível. Assim que perceber que ela está dourando, às vezes formam algumas bolhinhas, com a ajuda de uma espátula, vire e deixe dourar do outro lado. Retire do fogo e delicie-se com os recheios. Minhas dicas são:

O tradicional refogado de batatas, mas trocando por inhame! Descasque, pique em cubinhos e cozinhe no vapor 3 inhames médios, desligue quando ainda estiverem firmes. Prepare um refogado com azeite, 1 cebola roxa, pedaço pequeno de cúrcuma fresca ralada, a mesma medida de gengibre fresco ralado e pitada de assafétida, acrescente o inhame picado, pitada de sal e desligue antes de amolecerem demais e acrescente coentro fresco picadinho.

Pasta de Castanha de cajú – deixe 1 xícara das castanhas cruas e sem sal de molho na água por no mínimo 8hs, depois bate no processador pequeno ou liquidificador com pitada de cominho em semente, sumo de 1/2 limão, 1 c de sopa de shoyo, 1 c de chá de óleo de gergelim torrado, 1 c de chá de pimenta calabresa e sal, se precisar acrescente um pouco de água para bater.

Chutney de tomate – Pique em pedaços grandes 10 tomates orgânicos com casca e tudo, e junte numa panela com 1/2 xícara de açúcar mascavo, 2 c de sopa de vinagre de maçã, pitada de sal, 1 c de café de noz moscada ralada, 1 c de chá de pimenta fresca dedo de moça bem miudinha, e tampe. Deixe cozinhar pelo tepo que for necessário para que seque completamente a água e o creme esteja brilhante e saboroso.
Monte sua panqueca indiana, abrindo a massa, acrescentando o recheio de inhame, fecha, e coma à moda deles, com as mãos, molhando a Dosa nos molhos e deliciando-se com tantos aromas!

अच्छी भूख ou achchhee bhookh (bom apetite)!

20160915_220311

Receita Tarte de Amêndoas e Tangerina com Coco

Essa é fácil, saborosa e perfeita para um chazinho à tarde, vegana e sem glúten:

Aproveite o coco seco que restou do leite de coco caseiro que você fez, é mais saudável que o de pacotinho e muito mais saboroso. Utilizaremos 1 xícara desse coco que já está ralado! Hidrate por 6hs no mínimo 1 xícara cheia de amêndoas cruas, depois dispense essa água.

Bata por 3 ou 4 minutos no liquidificador as amêndoas + 3/4 xícara de melado + 2 c de sopa de raspas da casca de tangerina (orgânica) + 1/4 xícara do suco da tangerina + 2 c de sopa de óleo de coco + 1 c de sopa de gengibre ralado + 1 c de sopa de suco de limão + pitada de canela em pó, cardamomo em pó e noz moscada em pó. Depois misture essa massa num bowl com 1/2 xícara de farinha de arroz integral (essa qtde pode variar conforme seu coco está mais seco ou úmido, atente à liga da massa que não deve estar muito seca!) + 1 xícara do coco ralado + 1 c de chá de café de sódio e pitada de sal do Himalaya.

Unte uma forma de fundo removível com óleo de coco e farinha de arroz integral e derrame a massinha esparramando bem, ela fica baixinha mesmo, mas cuidado para não ficar muito fina senão vai endurecer! Polvilhe por cima lascas de amêndoas cruas e coco ralado, se preferir mais doce polvilhe um pouco de açúcar demerara. Asse por 30 minutos, espere esfriar para desenformar, senão ela quebra! E depois é só degustar com um bom chazinho!

A tangerina é a fruta da estação, trás conforto, contentamento e alegria, nos lembrando que em breve chegará a primavera! Em sua casca é onde contém grande parte de seu óleo essencial, podendo ser utilizada também em sucos feitos somente com a casca, chás e outras refeições, incrementando o sabor e agindo terapeuticamente! 😉

Essa receita é nutritiva, indicada para os biotipos vata, mas por conter coco que é super fresco e frio, pode ser ingerida pelos biotipos pitta, e por conter especiarias é indicada com moderação aos biotipos kapha!