CEIA DE NATAL

Texto  :  Glendha  Kreutzer

CEIA VEGETARIANA, DELÍCIA!

Para os que buscam inspiração para o cardápio natalino (momento de reunião entre familiares, logo, momento também de polemicas a respeito do vegetarianismo!), seguem algumas dicas e receitinhas vegetarianas, com toques ayurvédicos:

– ENTRADA –

Para a Medicina Ayurveda, devemos nos alimentar somente quando sentimos realmente fome e quando já digerimos o alimento anterior. Para uma boa digestão e absorção dos nutrientes, é necessário que nosso organismo esteja produzindo em equilíbrio alguns ácidos capazes de quebrar as partículas dos alimentos, facilitando assim o trabalho dos órgãos que receberão posteriormente o alimentos pré digerido.

Para estimular esses sucos gástricos, podemos utilizar elementos quentes e ácidos dos alimentos, assim também como os alimentos que fermentam (talvez seja essa a explicação dos indianos ingerirem primeiro o doce e depois o salgado, uma vez que o doce fermenta em nosso organismo).

Sugestão do chef

Suco fresco de gengibre, laranja e cardamomo: descasque e rale o gengibre (do tamanho da ponta de um dedo), bata no liqüidificador com o suco de 6 laranjas pera e uma baga inteira da semente de cardamomo.

Se desejar adoçar, utilize o melado (3 colheres de sopa), assim já combinamos a absorção do ferro do melado com a ajudinha da vit c da laranja, além da capacidade do gengibre em “aquecer nosso fogo digestivo”.

Chutney picante de manga: frutinha essa um tanto especial para os indianos, a manga além de ser nutritiva é uma excelente fruta para o preparo das geléias agridoce, pois possuem um sabor doce facilmente combinado com as pimentas.

Acrescentar numa panela (de preferencia de inox ou barro): 1 xícara de açúcar demerara e um pouco d água até formar uma calda, 1 pitada de sal, 2 pimentas dedo de moca bem picadas e sem sementes, 1 colher de sopa de gengibre ralado, sementes de 5 bagas de cardamomo já tostadas, 4 colheres de sopa de lascas de coco (de casca marrom), 4 mangas descascadas e picadas, e deixar cozinhar até a manga desmanchar (em torno de 25′), entao acrescentar 1/2 xícara de vinagre de maca e 1/2 xícara de amêndoas previamente tostadas e cozinhar por mais 5′.

Ideal para servir com chapatis ou mesmo torradinhas integrais.

– PRATO PRINCIPAL –  

Já com as enzimas digestivas em ação, e sensação de fome, com muita vontade de se alimentar de prana,  este é o momento de degustar em pequenas porções, de um prato mais substanciosos e da combinação dos 5 sabores (salgado, doce, amargo, azedo e ácido), estes necessários para o equilíbrio dos 5 elementos (terra, água, fogo, ar e éter) em nosso corpo e mente.

Dentro do conceito alimentar ayurvédico, nossos doshas (código genético) podem ser equilibrados através de nosso estilo de vida, temperatura e estações do ano, praticas físicas e espirituais, entre outras práticas, assim como também através de alimentação equilibrada, combinação entre os alimentos, tempo de cozimento etc.

Para nao adentrarmos no assunto de alimentos indicados para cada dosha (o que seria um assunto extenso e delicado), nos manteremos nas combinações e uso das especiarias para ajudar na digestão dos alimentos de natureza mais pesada, ou seja, com mais terra em sua constituição.

Sugestão do chef

Risoto de arroz com funghi, brócolis e pistache: Sejamos sinceros a respeito da natureza desses componentes! O arroz arbóreo nao contém tantos nutrientes quanto o arroz integral, mas na questao gastronomica ele é o melhor para fazer risotos por sua grande quantidade de amido. O brócolos deve ser feito no vapor para nao perder suas propriedades de cálcio e ferro, além de ser um excelente alimento para reduzir o colesterol, assim como o pistache, este por conter uma substancia chamada fitoesterol, e fonte de proteínas (considerada uma das melhores entre as oleaginosas).

Para cozinhar o arroz, podemos usar um caldo feito das cascas de legumes (com certeza orgânicos!), já coado e salgado. Separadamente, pode-se refogar com ghee, uma cebola cortada em tiras,  acrescentar as especiarias em grãos já tostados na proporção de uma colher rasa de sopa : semente de mostarda preta, cominho, além do açafrão em pó. Juntar o funghi já lavado, hidratado e cortado em tiras, acrescentando aos poucos a água utilizada na hidratação. Após 5′, acrescentar o brócolis bem picadinho (pode ser cru ou levemente cozido no vapor) e desligar.

Quando o arroz estiver bem macio e quase seco, acrescentar 1 xícara de queijo ralado de sua preferencia (eu particularmente me arrisco com o parmesão argentino, com a garantia de que após a refeição será servido algum chá para ajudar na digestão de laticínios!). Mexer bem e com jeitinho até o queijo derreter e dar liga no arroz, se necessário acrescente mais a água do funghi, e entao  os componentes da panela do refogado, mexendo delicadamente para nao desmontá-los.

Numa frigideira, tostar levemente os pistaches (1/2 xícara e sem casca) e acrescentá-los no risoto já pronto. Agora é só servir e pedir ao Deus do Fogo Digestivo (Santo Agni!) para ajudar na metabolizacao!

– ACOMPANHAMENTO – 

Já que o nosso risoto está um pouco tamásico (pesado, o que pode de alguma maneira deixar nossa mente e corpo letárgicos se nao nos assegurarmos de sua digestao completa), vamos optar por um acompanhamento mais leve e composto pelos outros sabores.

Sugestão do chef

Salada de grãos germinados e folhas verdes: Para mantermos presentes nessa refeição os cinco sabores, é interessante dar prioridade as folhas verde escuras e amargas, como o radite, rúcula e almeirão, todos orgânicos, bem lavados e picadinhos. Os germinados, além de serem alimentos cheios de vitalidade e prana, eles triplicam suas propriedades nutritivas, e sao facilitadores da digestão.

No dia anterior deixar de molho 1/4 xícara de semente de girassol, de linhaca e de gergelim cobertos de água limpa, cubra o vidro com um pedaço de filó e prenda com um elástico. Verta o vidro e despeje a água. Enxágue bem sob a torneira e coloque o vidro inclinado e emborcado num escorredor, em lugar sombreado e fresco, enxágue pela manhã e à noite. Nos dias quentes é preciso lavar mais vezes. Pode-se ainda optar por um molho de salada de limão siciliano, azeite e mel.

Cuscuz marroquino: As propriedades nutricionais do cuscuz são muito semelhantes às do trigo. O trigo, além de hidratos de carbono, apresenta cálcio, magnésio, sódio, potássio, silício, zinco e vitaminas A, B, K, D. O seu preparo é muito rápido e simples, nao destruindo assim seus nutrientes durante o cozimento. Tostar numa frigideira de ferro e depois pilar: 1 colher de chá de sementes de erva doce, o mesmo de sementes de urucum e 1 colher de sopa rasa de coentro em sementes. Logo, refogá-las no azeite acrescentando uma cenoura ralada e 1/2 abobrinha também ralada, uma pitada de sal, entao juntar 1 1/2 xícara da sêmola, misturando rapidamente e com cuidado. A parte, já deixar pronta a mesma quantia de água fervida para entao acrescentar ao cuscuz, assim que tiver secado a água, pode-se retirar do fogo. Picar bastante salsinha orgânica (1/2 xícara) para finalizar o prato.

Após a refeicao, indica-se um leve descanso acompanhado de boa companhia e conversa com assuntos suaves! Também a ingestão de um chá digestivo, sugerimos o chá da casca do abacaxi (novamente organico!) + sementes de cardamomo, deixar ferver alguns minutos e tomar sem adoçar.


Que o seu alimento seja o seu remédio (Hipócrates), que as suas palavras sejam reflexo de seus bons pensamentos, e que seus pensamentos sejam fruto de uma mente em paz e equilíbrio!

Bom fim de ano a todos!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s